Ao falar sobre qualidade de vida e cuidados com a saúde e estética não podemos deixar de falar sobre o stress. Componente da vida moderna e cada dia mais presente, muitas vezes é um aliado na superação de desafios, mas cronicamente pode causar danos importantes para a saúde física e mental.

O termo “ stress ” vem do inglês e significa pressão, esforço, luta. É uma resposta do organismo diante de uma situação de perigo, preparando o corpo para fugir, lutar, como por exemplo um animal fugindo do seu predador.

Hoje não precisamos nos defender dos predadores, mas existem vários outros fatores que disparam o gatilho do estresse, causando muitos efeitos indesejados, tanto físicos quanto psíquicos.

É preciso entender que o estresse faz parte da vida e não tem como ser anulado, pois no nosso dia-a-dia passamos por momentos que nos deixam irritados, tristes ou mesmo muito felizes, acarretando em um curto grau de estresse. O problema é quando ele se torna crônico, ocorrendo de forma intensa e recorrente.

Diante de situações de perigo/fuga há um aumento dos batimentos cardíacos e consequente elevação da pressão arterial, os músculos se contraem, o coração e pulmões aumentam o ritmo de funcionamento, o estômago pára a digestão, ativados pela ação da adrenalina.

Tudo isso pode acarretar sintomas como dor de cabeça, maior risco de derrame, alterações gastrointestinais, aumento ou diminuição de peso, insônia, acne, diminuição da libido, entre outros, certamente diminuindo de forma considerável a qualidade de vida.

Em situações estressantes nosso corpo libera um hormônio chamado cortisol, conhecido com “ hormônio do stress ”. Quando esse hormônio é aumentado cresce também a formação dos radicais livres, substâncias que oxidam (danificam) nossas células, diminuindo a imunidade e acelerando o envelhecimento.

E para aqueles que querem ganhar ou manter a massa muscular o prejuízo também não é pequeno, pois a ação desse hormônio degrada o tecido muscular, deixando os músculos menores ou mais difíceis de serem aumentados.

É por isso que atletas de alto rendimento se mantem concentrados antes de alguma competição importante, afim de estarem focados no objetivo e controlar ao máximo a ação desse hormônio, que certamente prejudicaria bastante o resultado caso estivesse em altos níveis.